sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Tufão - No.6


Oi gente, aqui vai uma pequena one-shot fluffy de No.6, meu anime favorito ever and ever.
Só porque Shion e Nezumi são muito fofos... Em breve devo terminar minha outra fanfic dles (eu travei) e traduzir mais uma fanfic (com lemon, dessa vez) da autora Triste.
Enquanto isso, vamos lutando para o fandon crescer, né?

Muito obrigada a lindíssima e fofíssima Mel Keigo que revisou a fanfic para mim e me impediu de cometer um grande atentato de gênero contra o Shion xD
OBRIGADA, Mel =*

Tufão

Seu peito se comprimia em angústia, e esta parecia aumentar ainda mais à medida que se tornava mais forte o som da chuva caindo lá fora. Mesmo debaixo da terra, o sopro violento do vento parecia ensurdecedor, tal qual o rugido dos trovões.

A ausência de qualquer janela só fazia com que sua espera se tornasse ainda mais torturante, sem qualquer previsão que pudesse acalentar o coração desesperado, e por isso os olhos de íris vermelhas não se distanciavam um segundo que fosse da porta. A ânsia fazia com que seu pé esquerdo batesse incansavelmente sobre o chão – ato este que impedia Hammlet, Cravat e Moonlit de dormirem sossegados. Eles provavelmente já sabiam que era normal seu mestre demorar às vezes, mas Shion não conseguia deixar de se preocupar com o fato de Nezumi ter saído na noite anterior e ainda não ter regressado.

Shion sentia vontade de sair e gritar –dessa vez não um simples grito de libertação e clamor pelo desconhecido, como fizera na noite que conhecera o moreno. Dessa vez sabia muito bem o que o gritaria, por qual nome clamaria.

Sabia de quem precisava, e por isso, sem mais suportar, sua mão finalmente abandonou o peito comprimido e seu corpo se ergueu dando passos acelerados na direção da porta, a qual foi rapidamente aberta, dando acesso às galeria subterrânea e em seguida ao mundo que parecia prestes a desabar lá fora.

Como que sob efeito de um tufão que destrói tudo ao redor, Shion sentiu uma torrente de sentimentos e receios a invadir sua mente enquanto, no final do horizonte, as brilhantes luzes da No.6 pareciam desvanecer por ação da chuva. Shion encarou aquelas luzes sumindo no meio da escuridão e teve medo de que Nezumi pudesse ser engolido por aquilo, algum dia. Não poderia permitir tal fato, e por isso abriu a boca para gritar, gritar tão forte quanto gritara daquela vez, e quem sabe assim fazer acontecer um novo milagre.

E como um tufão, veio tudo: lembranças e sentimentos, momentos e certezas, assim como as inseguranças e as fortes gotas de água contra sua face. Assim como o nome baixo e incerto saindo por sua boca:

-Nezumi... – Sussurrou enquanto seus olhos miravam incertos um distante vulto negro ao longe, que de alguma maneira conseguia se destacar em meio às sombras noturnas. -NEZUMI! –Gritou então, suas pernas movendo-se velozmente na direção dele. –NEZUMI! –Gritou novamente, já o alcançando, prestes a abraçá-lo, tamanha sua felicidade, mas o outro brigou antes que pudesse fazê-lo.

-O que tá fazendo aqui fora, idiota? Vai se molhar todo. –Resmungou baixo enquanto usava um dos braços para manter Shion afastado de si. –Vai logo para casa...

Shion piscou algumas vezes, não pelo efeito do vento forte e da chuva em seus olhos, mas sim pelo fato da baixa visibilidade não lhe permitir compreender bem o que fazia Nezumi andar tão vagarosamente e deter uma voz tão estranhamente carregada.

-Você está machucado, Nezumi? –Perguntou enquanto o observava com atenção. –Quer que eu te carregue?

-Cala boca, Shion... –Pediu, ou ordenou, baixo e irritado.

-Vamos, deixa eu te ajudar a andar... –O menor insistiu e Nezumi, literalmente vencido pelo cansaço, aceitou apoiar-se no ombro de Shion até que chegassem até sua casa. Mas ainda assim o rapaz de cabelos brancos não conseguiu se manter calado. –O que aconteceu, Nezumi? Onde que você se machucou? –O moreno apenas andava, tentando ignorar a voz do outro. –Está doendo muito?

-O suficiente para eu não te fazer calar a boca, sorte sua.

-Ah...

E assim o maior conseguiu alguns instantes de silêncio até que os dois adentrassem na morna segurança subterrânea.

-Quer que eu prepare um banho quente para você? - Shion perguntou tão logo a porta foi fechada.

-Você que está todo molhado, não eu. –Nezumi respondeu calmamente enquanto tirava sua capa, exibindo um rasgo em sua calça e uma grande mancha de sangue na parte externa de sua coxa esquerda.

–O que aconteceu, Nezumi? –O menor exaltou-se ao ver o ferimento, dando apenas uma olha rápida e já indo atrás do kit de primeiros socorros.

-Nada, só tentaram me assaltar. Tem comida? –Perguntou sem se importar muito enquanto olhava as panelas sobre o fogão.

-Tem, eu já te sirvo, deixa só eu tratar da sua perna antes. –Respondeu seriamente, já se direcionando a cama. –Vem logo, deixa eu ver sua perna.

Nezumi suspirou, querendo esconder que no fundo apreciava a preocupação do outro.

-Foi só um tiro.

-Só um tiro?! Onde foi? Como foi? –Perguntava angustiado enquanto começava a limpar com cuidado o ferimento.

-Não te interessa.

-Claro que interessa. Não sei se você sabe, mas eu me preocupo com você.

-Hum... –Resmungou, sentindo um pouco de dor por ação do antisséptico. –Não preciso que ninguém se preocupe comigo.

-Eu sei que não... Mas eu não consigo evitar... –Shion falou seriamente, parando o que fazia por um instante apenas para olhar profundamente nos orbes cinzentos de Nezumi. –O ferimento foi muito fundo, eu vou ter que suturar, mas não tem anestesia. –O menor constatou logo depois, voltando sua atenção ao que fazia.

-Não tem problema. –Falou tentando excluir de sua voz qualquer tom que denunciasse suas emoções ou dores. Não queria que Shion notasse. Não podia permitir que Shion notasse, e por isso guardou para si em um semblante aborrecido aquela agradável sensação de ter alguém cuidando, se importando. Gostava daquilo, mas tinha medo de se acostumar, tinha medo de perder aquilo e sentir ainda mais falta do que poderia aguentar.

Shion, todavia, parecia alheio àquilo tudo, e Nezumi, por um instante, sentiu raiva do garoto. Logo em seguida, sentiu raiva de si por permitir-se ser tão tolo, por abrir seu coração daquela maneira. Por ter deixado Shion entrar na sua vida de forma tão forte a abrupta, exatamente como o tufão de cinco anos atrás.

“Cinco anos...”

E enquanto o menor se concentrava em costurar sua coxa ele procurava em sua jaqueta por um singelo raminho de flores miúdas. As delicadas pétalas lilases haviam sofrido um pouco ao serem amassadas dentro do bolso, mas ainda assim mantiveram sua beleza simples e terna. Realmente, Shion se parecia muito com elas, e pensando nisso Nezumi chegou a deixar a expressão em seu rosto mais leve ao entregar as flores para o menor tão logo ele terminou o curativo.

-Você não lembra que dia é hoje, hum? –Perguntou sorrindo da expressão de desentendimento do outro. –Eu tinha outro presente para você, mas acabei deixando cair enquanto fugia... –Comentou um tanto sem jeito, sem ter certeza se deveria ou não dizer para Shion que o presente inicial não era seu, mas sim de sua mãe, e nisso contemplou o quão idiota fora sua ideia, e que se Shion soubesse jamais se permitiria novamente ser chamado de cabeça-de-vento por Nezumi.

Como esperava entrar e sair da No.6 calmamente carregando um bolo confeitado enquanto era alvejado por tiros? Estava realmente mudado, como a Guarda-cão havia lhe advertido há um bom tempo atrás. Sabia que essa mudança em seu coração seria a sua desgraça, mas simplesmente não via forma alguma de ir contra isso.

“Já é tarde demais...”

Suspirou pesadamente e permitiu-se deitar na cama, sem tirar os olhos da face Shion, a qual continuou com aquela expressão embasbacada de surpresa por mais alguns segundos, até se transformar em um belo sorriso, tão sincero e alegre.

-Obrigado, Nezumi. Foi o melhor presente que eu já ganhei na vida.

-Idiota! –O moreno resmungou e virou de lado mesmo sabendo que o outro provavelmente não conseguiria notar o rubor em sua face.

-É verdade, é a segunda vez que você me dá o melhor presente de aniversário. –Comentou enquanto se levantava da cama, ainda com as flores na mão. Pegou uma caneca e a encheu com água, a fim de conservar suas flores, e em seguida serviu uma tigela de sopa para Nezumi. –Fiquei com medo de que você não voltasse.

-Idiota... –Mais uma vez o maior resmungou o costumeiro xingamento antes de começar a sorver a sopa. Por algum motivo, não se sentia inspirado para proclamar as frases sarcásticas de sempre.

-Foi numa noite igualzinha a essa, né? O tufão, você machucado e com fome... –Comentou de forma um tanto vaga, seus olhos se perdendo na imagem de Nezumi, contemplando o quanto ele havia mudado naqueles cinco anos.

-Você agindo como um molequinho ingênuo...

-Você não acha que eu cresci e amadureci nesse tempo, Nezumi?

-Não o suficiente. –Respondeu com alguma rispidez, olhando de relance para os cabelos alvos do outro antes de tomar o último gole de sua sopa.

-Quando será o suficiente?

-Acho que nunca... –Disse antes de se levantar para ir lavar sua tigela, mas Shion não permitiu, tirando-a das mãos dele.

-Eu lavo amanhã, deita. Você tem que descansar.

-Você já convive comigo a tempo suficiente para saber que eu não sou frágil. –Falou com clara ponta de irritação, mas permitindo-se deitar em seguida. Estava de fato muito cansado.

-Bem, você continua me tratando como se eu fosse indefeso, deixa eu fazer isso também, pelo menos hoje, para eu me lembrar daquela noite. –Disse ainda com um sorriso sereno no rosto, já tendo deixado a tigela em um canto junto com o resto da louça suja.

-Como assim?

-Você disse que aquela noite foi como um milagre para você, não? Pois para mim também foi, de alguma forma... A minha vida mudou para sempre desde então, e eu te serei eternamente grato por isso... –Comentou, sentando-se na cama e encarando Nezumi.

-Por ter te tirado da vidinha de luxo e ignorância da No.6? –Perguntou, finalmente conseguindo colocar um pouco de cinismo na voz.

-Por ter me permitido te conhecer... –Continuou com seu sorriso sereno e ergueu sua mão para acariciar os cabelos escuros, o que chegou a provocar em Nezumi um leve sobressalto, mas o maior logo se acalmou e se permitiu receber aquela carícia, mesmo que seus instintos de sobrevivência lhe advertissem para que se afastasse.

Mas Shion tinha as mãos macias e leves, e aquilo lhe transmitia uma paz infinita.

–Você está com febre! –Comentou um tanto exaltado em preocupação, assustando Nezumi. –Deixa eu pegar remédio.

E exatamente como há cinco anos atrás, a mão de Nezumi encontrou a de Shion e a conteve. O moreno, com um sorriso quase imperceptível em seus lábios, comentou baixinho, olhando profundamente as íris vermelhas:

-Você está quente também...

Nisso os dois continuaram se olhando por alguns longos instantes, como se ambos revivessem aquele momento em que suas vidas se cruzaram de maneira irreversível. Ali, sentindo o calor um do outro, ambos temeram por uma possível separação, pois sabiam que não conseguiriam mais viver plenamente sem a confortante sensação de aconchego que recebiam um do outro.

Estavam tão próximos e envoltos naquele sentimento que suas faces se aproximaram sem que notassem, ao ponto de respirarem o mesmo ar.

-Você é realmente problemático, Shion... –Nezumi achou melhor interromper aquele momento. Não queria admitir, mas mesmo tendo se entregado àquele sentimento havia um bom tempo, ainda temia as consequências.

-Por quê?

-Suas roupas estão molhadas, vai se resfriar.

Shion sorriu ante aquela resposta, permitindo enfim que suas mãos desfizessem o enlace.

Sem muita cerimônia tirou a camisa e as calças que se encontravam úmidas em função da chuva, ficando apenas com sua roupa de baixo. O moreno virou-se de costas para o jovem de cabelos brancos, querendo manter-se indiferente, mas não conseguiu ao sentir o menor deitando-se ao seu lado, já buscando por seus cobertores.

-O que você pensa que está fazendo? –Perguntou seriamente, sem se virar.

-Deixa eu dormir com você hoje? –Shion pediu baixinho, sua mão novamente buscando o calor da mão de Nezumi, seu peito se encostando às costas dele e seu olfato se perdendo no aroma que se desprendia do pescoço dele.

-Por que você quer?

-Foi assim que nós dormimos naquela noite. –O menor disse já fechando os olhos, abraçando o corpo do moreno e se lembrando de que há exatos cinco anos Nezumi era tão magro e frágil que podia facilmente ser envolto por seus braços.

-Nezumi, quando é o seu aniversário? –Shion perguntou após algum tempo, a voz embargada em sonolência.

-Não sei.

-Como assim não sabe?

-Nunca me disseram... -Falou fracamente, já sentindo o sono tomar conta do seu corpo também, juntamente à uma estranha sensação de conforto e segurança.

Antes de cair no sono, todavia, o moreno buscou na mente o calor daquelas lembranças, e nele teve a certeza de que passara a considerar seu aniversário aquela mesma noite marcada pelo forte tufão.

10 comentários:

  1. Awwwn de nada!!! Amei muito sua fic, muito fofa XD obrigada pelos elogios hahahaha <3
    Foi um prazer corrigi-la!!! <3

    ResponderExcluir
  2. que fofo. to emocionada. como eu queria q eles ficassem juntos!

    ResponderExcluir
  3. *-*
    Obrigada, meninas! Que bom que a fic ficou fofinha ao menos XD
    A outra terá um pouquinho mais de drama =D~ (isso pq eu também quero que eles fiquem juntos)

    ResponderExcluir
  4. Night Dragon Ninja13 de agosto de 2011 09:30

    Lindo! Perfeito! Maravilhoso!
    Eles formam um casal tão bonito! Achei o fanfic muito bem escrito! Me derreti toda lendo ele!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Awwwnnn *0*
    Eles são tão fofos <33
    Eu fico toda besta com esse tipo de fic xD
    Estaremos esperando ansiosamente por mais hahahaha xD

    ResponderExcluir
  6. Que fofo! Ficou emocionante, amei as reações do Nezumi! <3
    É exatamente o que eu penso dele!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Ficou muito fofa! Deu vontade de rever o 1° epi - o que é um pulo para rever todos os outros episódios. xD

    ResponderExcluir
  8. menina como sou tapada. pensei q essa era uma tradução de alguma fic da triste. agora q eu li com atenção e vi q é sua! ficou perfa. vc captou bem o modo de agir dos dois lo/

    ResponderExcluir
  9. @Night Dragon Ninja Obrigada my dear! Isto fica feliz em agradar *-* E neee... eles são fofos demais junto, vontade de passar superbonder e mel neles, para eles se grudarem e nunca mais saírem do lado um do outro! *maníaca*



    @Kyori Esses dois devem ser feitos de pelúcia, não *0* HUahuaa, eu não sou grande fã de fluffy, mas no caso deles exceções precisam ser abertas –se bem que eu acho que outras coisas no Shion também precisam ser abertas –qqq
    Hoje mesmo sai mais uma fanfic deles! Yey!




    @yamimi as reações do Nezumi costumam ser as melhores, assim, fofo, mas querendo sempre manter a pose #soufoda XD Que bom que gostou linda! Obrigada por ler!



    @Kotsuki HUAhaua, exatamente! Quando terminei de escrever a fic fui rever o 1° ep... e em seguida revi tudo pela 56482ª vez, né? Inresistível demais *-*



    @Jack-chan ahuahaua, obrigada mais uma vez, linda! E hoje sai mais uma fanfic, de presente para você! Beijões linda!

    ResponderExcluir
  10. Parabéns... Como sempre vc escreveu um lindo conto... Tudo que é cativante na série, como a falta de senso do Shion e a marra do Rato... Gostei muito... Obrigado por escrever...
    Ps: Obrigado pelo seu comentário no meu blog... Vc tem que parar com essa mania de me fazer sorrir como besta no trampo... Mentira... Adorei...
    PS2: Tá lá o post da Matita...
    Ps3: Véio fidaputa?...

    ResponderExcluir