domingo, 3 de julho de 2011

Einherjar

Hello! Venho aqui postar um mini conto que dedico à minha queria Sue Seme-sama XD

Einherjar


Ele veio a minha procura, atravessou os mares mais mortais para me encontrar nesta terra feita de frio e gelo. Deixou para traz uma esposa e dois filhos que rezam e esperam por ele, mas ele sabe que não voltará. Ele veio para mim, para terminar em meus braços nesta noite de glória.

Olho-o cheia de desejo no momento que ele me desperta com o poderoso som do seu grito de guerra: o urro enfurecido de um guerreiro que sabe que a morte está próxima, mas não a teme. Os olhos azuis e frios miram a minha imagem com convicção enquanto ele observa a tempestade se formando no horizonte. Seu corpo forte e cheio de cicatrizes me excita enquanto eu o observo se aproximando, tendo a certeza de que ele é meu amado, aquele por quem eu espero há tanto tempo.

Ele vem em minha direção, avança sem medo junto aos seus irmãos de batalha numa marcha lenta e forte que faz o papel dos tambores em anunciar a guerra, pois seus passos fazem tremer as montanhas e congelarem os inimigos.

O vento gelado fere sua face, mas ele não sente. Ele sente apenas ódio, dor e fúria, e com tão intensos sentimentos ele pede por minha bênção, e eu a dou na forma de um beijo que ele vê como um relâmpago cortando o firmamento. Eu grito seu nome na forma de um trovão que o preenche de força.

Ele clama pelo nome de Odin e pela destruição daqueles bastardos sem face ou nome, desprovidos de honra e glória. Ele ergue seu machado e pede pela vitória, e o mesmo fazem seus companheiros. Os inimigos surgem e gritam também, em maior número. Pendem por poder aos seus falsos deuses e erguem suas lanças, espadas e arcos.

Mas não avançam.

Quem avança é meu guerreiro, sem medo mesmo sabendo que que esta é sua última batalha; sabe porque Odin o ama, e aqueles que os deuses amam são os que morrem cedo. E por isso a paixão flui em suas veias à medida que ele grita e perde a consciência, pois pensamentos não são importantes neste momento: tudo que ele precisa fazer é matar. Matar e se vingar!

O machado tão alto desce com toda força e parte ao meio um deles como se nada fosse, fazendo o sangue fétido voar como oferenda aos deuses. Meu amado novamente grita o nome de Odin, e nesse momento os machados de seus irmãos também se tornam rubros. O júbilo da morte toma seus corpos em um frenesi de exaltação e carnificina. Mais golpes são dados, e os gritos de guerra não cessam, repelindo os golpes e as flechas inimigas.

Meu amado mata como um insano, e mata para mim. Cada inimigo derrubado é dedicado ao nosso amor e eu me regozijo em ver o sangue impuro escorrendo como a mais bela prova de adoração.

Eles eram mais numerosos, mas nunca haveriam se der páreos, não enquanto eu estivesse lá para abençoar meu querido guerreiro, pois mesmo quando em meio àquela sinfonia de morte a lâmina do inimigo o acertava o peito de meu Einherjar, eu e ele e Odin sabíamos que fôramos agraciados com a vitória e a glória.

Por mais que sinta em meu próprio peito a dor daquele golpe, e por mais que algum desespero tome conta de mim enquanto meu amado grita de dor e fúria, eu sorrio sabendo que elegi o melhor guerreiro, pois mesmo quando seu sangue banha a neve e seus joelhos cedem, ele não se permite cair antes de seu machado fazer de vítima seu algoz.

Observo a cena com emoção, vejo límpidas lágrimas correndo por sua face dura e sofrida, e sinto vontade de chorar em saber que Midgard jamais verá outra vez batalha tão épica. No fundo, por mais que ansiasse por nosso encontro, não queria que fosse hoje o grande dia, não para ele nem para nenhum de seus corajosos irmãos.

Agraciando-lhe com a maior das honras e enxugando minhas próprias lágrimas, voo com meu cavalo ao seu encontro, pois antes que seu tronco encontrasse o chão eu já o teria em meus braços, pronta para levá-lo pra Wahalla, onde haveríamos de nos amar até o Ragnarok.

Mas em seu último momento, ele diz meu nome.

Skeggjold...”

Eu sorrio e o levo comigo, o Einherjar que morreu em glória para ser livre.

7 comentários:

  1. Eu encontro em seus relatos, a distancia do meu presente, vagando em cada palavra num salto passageiro e cuidadoso, interpretando o que relmente entendi....gostei do conto....

    ResponderExcluir
  2. Tão forte e tão poético... Gostei mesmo. Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Orion e Elcio
    Fico feliz que tenham gostado!

    ResponderExcluir
  4. Gomen ne pelo atraso em comentar >_< Cara. Sem palavras, qualquer coisa que eu diga soará fraco demais. Eu simplesmente agradeço, pois tal sentimento tenho certeza que será único enquanto eu viver ^^
    MUITO, muito obrigada mesmo!!!

    (...) "Eu preciso muito de você, eu quero muito você aqui de vez em quando nem que seja muito de vez em quando, você nem precisa trazer maçãs nem perguntar se estou melhor. Você não precisa trazer nada, só você mesma. Você nem precisa dizer alguma coisa no telefone basta ligar e eu apenas ficarei ouvindo o seu silêncio. Juro como não peço mais que o seu silêncio do outro lado da linha ou do outro lado da porta ou do outro lado do muro. Mas eu preciso muito de você."

    Caio Fernando Abreu



    Koishiteru Uke *¬*

    -Sue Seme XD

    ResponderExcluir
  5. Nhai, Seme-sama *-*
    Obrigadaa! Fico MUITO feliz que você tenha gostado dessa singela homenagem, e podes ter certeza de que eu ainda vou melhorar esse conto =D
    Beijinhos, Seme querida!! =*

    ResponderExcluir